SENHOR PRESIDENTE. SENHORES VEREADORES.

Em rara e feliz coincidência, estamos hoje homenageando a BRIGADA MILITAR DO ESTADO exatamente na data em
que comemora 162 anos de existência !
Criada pelo então General ANTONIO ELIZIÁRIO DE MIRANDA E BRITO, como Corpo Policial da Província de São
Pedro do Rio Grande do Sul, pela Lei nº 7, em 18 de novembro de 1837, desde então a Brigada Militar mudou muito e,
ao mesmo tempo, se manteve sempre a mesma.
Num mundo e num Brasil caracterizados pela constante evolução, a Brigada tem sido sempre capaz de, laboriosa e
inteligentemente, avaliar todas as necessidades comunitárias que lhe cabe atender. E foi por isso que, acompanhando
esse movimento sócio-histórico, reestruturou-se para assumir as novas e importantíssimas missões que se lhe impunham,
tais como a de prevenção e combate a incêndios, o policiamento rodoviário, o policiamento de trânsito, o policiamento
florestal e ecológico e também o policiamento ostensivo.
Nova formação técnico-profissional foi desenvolvida, admitiram-se civis na administração e mulheres nos Quadros
formais da Corporação . Oficiais e Praças passaram a ter um nível instrucional e cultural invejável, absolutamente
necessário e à altura das exigências da população. O Estado do Rio Grande do Sul pode hoje se orgulhar de ter uma
Corporação Policial-Militar de primeira grandeza, pois é referência nacional e internacional tanto histórica como social,
técnica, cultural ou profissionalmente.
Todavia, ao ampliar a abrangência, a natureza e a qualidade dos serviços que sempre prestou ao Rio Grande e ao Brasil,
a Brigada Militar conservou intactas, na orientação e na prática diuturna, sua destinação histórica e constitucional de
preservação da ordem pública e do policiamento ostensivo, bem com sua condição de força auxiliar e reserva do
Exército Nacional.
Felizmente para o Rio Grande do Sul e para o povo gaúcho, as tentativas de desviá-la dessa condição, inclusive no
sentido de desmilitarizá-la, como recentemente pretenderam alguns grupos mal-intencionados, não tiveram êxito e, se
Deus quiser, jamais haverão de ter.
Ao longo do tempo, sofreram muito a Brigada e os brigadianos, em termos de incompreensão, de carência de
equipamentos, de desprestígio governamental e de aviltamento de salários, como é o caso presente.
Apesar disso, durante esses 162 anos, souberam sempre, Brigada e brigadianos, ser maiores do que as agruras
enfrentadas. E a Brigada Militar conservou até aqui intocados sua base e fundamento, mantendo inalterados os
princípios que lhe dão razão de ser e as características essenciais de sua organização policial-militar.
Senhor Comandante da Brigada Militar.
Receba, por nosso intermédio , a gratidão do povo de nossa terra a essa Força Pública que tantos serviços presta ao povo
porto-alegrense e gaúcho.
Gratidão que é dirigida a cada um dos seus componentes : desde Vossa Excelência, como Comandante, até o mais
simples PM, desde os que militam no dia-a-dia, na dura e perigosa tarefa de rua, até os que se dedicam às tarefas de
planejamento, organização e controle dessas atividades. Não esqueçamos, porém, aqueles que, no decurso dos tempos,
dedicaram suas vidas ao serviço do povo, na Brigada Militar, e hoje desfrutam da justa e merecida aposentadoria.
Mas especialmente, senhor Comandante, gostaria de ressaltar, nesta homenagem, aqueles brigadianos que, quase sempre
anonimamente, foram, no cumprimento do dever, mortos ou inutilizados para a vida profissional, muitas vezes deixando
mulher e filhos em dificílima situação de vida. É absolutamente necessário que eles e suas famílias recebam maior
atenção e maior auxílio em suas dificuldades, originadas no estrito cumprimento do dever. Pois é incrível que esses
heróis anônimos do dia-a-dia nunca sejam apoiados por quaisquer organizações especializadas, em visível contraste
com o apoio que delas recebem assaltantes, sequestradores, terroristas e outros bandidos do mesmo gênero, em situação
idêntica.
Gabinete VER. JOÃO CARLOS NEDEL WPC
BRIGADA MILITAR – 161 ANOS 13.11.98
Nosso povo ama a Brigada Militar, que é parte inalienável de sua história e dos valores que cultiva.
Nós queremos a Brigada Militar altiva e realizadora que sempre conhecemos, em todos os serviços que realiza.
Nós queremos a Brigada Militar nas ruas e nas estradas, na cidade e no campo, zelando por nossa segurança,
defendendo a vida e o patrimônio de cada um de nós, sem se deixar envolver por ideologias políticas desagregadoras,
que propõem o confronto em lugar do diálogo e do respeito à lei.
Nós queremos uma Brigada Militar obediente à lei, a serviço da lei.
Em outras palavras, nós queremos a Brigada Militar como sempre foi, fiel às instituições, à democracia e, especialmente,
à vontade do povo.
Manifesto aqui, então, nossa inteira solidariedade à Brigada Militar em tudo quanto realizou e realiza e o nosso pedido a
cada uma das autoridades, atuais e futuras, a todos os níveis, no sentido de que valorizem sempre a gloriosa Brigada
Militar do Estado, permitindo-lhe evoluir do mesmo modo como tem feito há 162 anos, em favor de Porto Alegre, do
Rio Grande e de seu povo.
Por tudo quanto tem feito por nossa gente, muito obrigado à Brigada Militar do Estado !
SENHOR PRESIDENTE. SENHORES VEREADORES.
Como mudou a Brigada Militar !
Quando foi criada pelo então General ANTONIO ELIZIÁRIO DE MIRANDA E BRITO, como Corpo Policial da
Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, pela Lei nº 7, em 18 de novembro de 1837, tinha
organização, disciplina e vencimentos iguais aos do Exército Imperial , com a forma legal de policial-militar.
Mas a Brigada Militar mudou!
Em 1873, transformou-se em Força Policial, em 1889 mudou para Guarda Cívica e, logo em seguida, para
Corpo Policial.
E novamente mudou a Brigada, em outubro de 1892, quando recebeu o nome glorioso de BRIGADA
MILITAR DO ESTADO, que ainda hoje conserva, apesar de algumas tentativas infrutíferas de mudá-lo.
Mudou mais a Brigada Militar, desde quando, Brigada guerreira, se fez presente na Revolução Federalista
de 1893, cruenta e enlutadora, passando por todos os principais movimentos armados que eclodiram no
País, até o episódio da Legalidade, em 1961, e a Revolução de Março de 1964 .
As táticas e estratégias bélicas, entretanto, que predominaram no passado, transformaram-se em modernos
caminhos de bem servir.
E foi assim que, num mundo e num Rio Grande em mudança, a Brigada Militar soube , paulatinamente,
avaliar as novas necessidades da população que, insatisfeitas, lhe caberia atender e, aos poucos mas
proficientemente, reestruturou-se para assumir novas e importantíssimas missões, como a de prevenção e
combate a incêndios, o policiamento rodoviário, o policiamento de trânsito, o policiamento florestal e
ecológico e também o policiamento ostensivo.
Mudou, assim, a formação técnico-profissional, admitiram-se civis na administração e mulheres nos
Quadros formais da Corporação e os Oficiais e Praças passaram a ter um nível instrucional e cultural
invejável, absolutamente necessário e à altura das exigências da população.
Gabinete VER. JOÃO CARLOS NEDEL WPC
BRIGADA MILITAR – 161 ANOS 13.11.98
E o Estado do Rio Grande do Sul pode hoje se orgulhar de ter uma Corporação Policial-Militar de primeira
grandeza, pois é referência nacional e internacional, sob qualquer ótica que se a olhe, histórica, social,
técnica, cultural ou profissionalmente.
Mudou muito a Brigada, desde sua criação.
Mudou muito, sim, no sentido de ampliar a abrangência, a natureza e a qualidade dos serviços que sempre
prestou ao Rio Grande e ao Brasil.
Mas, nessas mudanças todas que houve, mantiveram-se intactas, na orientação e na prática diuturna, sua
destinação histórica e constitucional de preservação da ordem pública e do policiamento ostensivo, bem com
sua condição de força auxiliar e reserva do Exército Nacional.
Não foram poucas, entretanto, ao longo do tempo, as tentativas de desviá-la dessa condição, inclusive de
desmilitarizá-la, como recentemente tentaram alguns grupos, e que, felizmente para o Rio Grande e para o
Brasil, não tiveram êxito e, se Deus quiser, jamais haverão de ter.
Não foram poucas, também, as agruras sofridas pela Brigada, em sucessivos tempos, em termos de
incompreensão, de absoluta carência de equipamentos, de desprestígio governamental e de aviltamento de
salários.
Mas a Brigada Militar, apesar de tudo isso, no perlongar da história do Rio Grande, que vem há 161 anos
ajudando a construir e de que faz parte inalienável, soube sempre ajustar-se às circunstâncias e a elas se
superpor, mudando no que foi necessário e conveniente mudar, mas conservando intocados sua base e
fundamento, pois inalterados se mantiveram os princípios que lhe dão razão de ser e as características
essenciais de sua organização policial-militar.
Senhor Presidente, Senhores Vereadores.
Entendo, que a homenagem que hoje esta Casa presta à Brigada Militar, muito além da homenagem em si,
deve representar um manifesto de gratidão a essa Força Pública que tantos serviços presta ao povo portoalegrense
e gaúcho.
E que essa gratidão se deve dirigir a cada um dos seus componentes : desde o Comandante Geral até o
mais simples PM, desde os que militam no dia-a-dia na dura e perigosa tarefa de rua até os que se dedicam
às tarefas de planejamento, organização e controle dessas atividades, sem esquecermos, também, aqueles
que, no decurso dos tempos, dedicaram suas vidas ao serviço do povo, na Brigada Militar, e hoje desfrutam
da justa e merecida aposentadoria.
Mas especialmente, senhor Presidente, gostaria de ressaltar, nesta homenagem, aqueles brigadianos que,
quase sempre anonimamente, foram, no cumprimento do dever, mortos ou inutilizados para a vida
profissional, muitas vezes deixando mulher e filhos em dificílima situação de vida, sem se verem apoiados
por quaisquer organizações especializadas, em visível contraste com o que freqüentemente acontece
quando as vítimas são assaltantes, terroristas e outros bandidos do mesmo gênero.
Fica aqui, então, senhor Presidente, em nome da Mesa Diretora, proponente desta homenagem, o registro
de nossa inteira solidariedade à Brigada Militar em tudo quanto realizou e realiza, a nossa satisfação com
todas as mudanças promovidas e o nosso pedido a cada uma das autoridades, atuais e futuras, a todos os
níveis, no sentido de que valorize sempre a gloriosa Brigada Militar do Estado, permitindo-lhe evoluir do
mesmo modo como tem feito há 161 anos, em favor de Porto Alegre, do Rio Grande e de seu povo.
Para finalizar, Senhoras e Senhores, gostaria de, saudando todos os componentes da Brigada Militar,
evocar aqui o nome de meu saudoso amigo e companheiro, brigadiano da mais alta têmpera, forjado em luta
intensa, convicção pura e dedicação plena à Força que tanto amou, além de cristão e chefe de família
exemplar , o Coronel ODILON ALVES CHAVES, tragicamente desaparecido, e que agora está seguramente
na presença de Deus, intercedendo feliz pelo progresso e a evolução da sua querida Brigada Militar.
Por tudo quanto tem feito por nosso Estado, muito obrigado à Brigada Militar do Estado !

ACABEM COM A BRIGADA MILITAR

Essa parece ser a palavra de ordem no atual Governo do Estado, a se julgar pela
postura do Secretário Bisol. Aliás, antes da eleição para o Governo do Estado,
manifestei-me, pela imprensa local, que isso iria acontecer. Recebi, então, um
bocado de críticas, por parte de gente bem intencionada, mas ingênua, que
achava que isso seria um absurdo, que eu estava sendo radical e por aí vai.
Gostaria, sinceramente, de ter me equivocado. Mas os fatos estão demonstrando
que eu estava com a razão.
A rigor, o atual Governo do Estado criou uma nova Secretaria, que bem poderia se
chamar de SECRETARIA DE INSEGURANÇA PÚBLICA. Apesar de o Secretário
Bisol afirmar que a situação é normal, que o que há é um exagero de manchetes,
tenho convicção de que nem ele mesmo acredita no que afirma. Pois só quem
tiver os olhos fechados para a realidade pode ignorar
A charge de ZH do último dia 14 retratou com muita felicidade e inteligência a
situação real da (in)segurança pública em nosso Estado. Quem pode negar que a
própria Polícia esteja temerosa de sair à rua, por não saber como proceder, diante
da situação em que foi colocada pelo próprio Secretário ?
• Avisar que vai usar da arma
• Não poder usar de força física
• Acusados de corruptos
• Acusados de despreparados
• Desequipados
• Sugestão de liberar 70% dos presos
• Má remuneração.
• Desmembramento do CB da BM.
• Humilhação da Polícia.
• Partidarização da BM.

SENHOR PRESIDENTE. SENHORAS E SENHORES VEREADORES.

• TROPA DE ELITE é livro que faz sucesso na Feira do Livro de Porto Alegre, como
tem sido sucesso, nos cinemas do Brasil inteiro, o filme dele originado. Esse sucesso não
advém da qualidade do livro como peça literária, nem do filme como obra da sétima
arte, pois são bem fracos, no meu entender, e, sob esse aspecto, mereceriam pouco
relevo. O sucesso vem do fato que a trama compõe, como se fossem uma só coisa, a
triste realidade do mundo do crime e a ficção em torno do seu combate.
• O crime assumiu dimensões assustadoras no Brasil. Ele não se confina nas favelas e no
sub-mundo, mas se produz e se expande a partir inclusive dos órgãos encarregados de
combatê-lo – e isso vale para o Brasil inteiro.
• É inegável que o crime está sendo combatido arduamente, muitas vezes por meios
heterodoxos, nem sempre éticos ou morais, mas também, por que não dizer, às vezes até
necessários.
• Mas, na atual conjuntura social e institucional, em que proliferam a droga e a violência,
em que há um forte desvirtuamento dos objetivos precípuos das instituições, que
resultam no descrédito generalizado, é comum ser necessário até o emprego de força
para a detenção de um criminoso ou para a captura de um foragido da justiça.
• E, logo a seguir, ouvirem-se críticas à polícia, em defesa do “coitadinho” detido, ou
assistir-se ao favorecimento daquele criminoso com o regime de progressão de pena,
podendo até mesmo escolher o local onde prefere “hospedar-se”, de onde lhe seja mais
fácil escapar de novo.
• Pessoalmente, já ouvi queixas de soldados da Brigada Militar, sobre a desmoralização
de que se sentem vítimas quando, após prenderem alguém em flagrante delito, verem o
criminoso sair livre da delegacia, por fruto de algum recurso legal, antes mesmo de o
policial-militar ter voltado ao seu posto de trabalho.
• A flexibilidade das leis, a tibieza de muitos de seus aplicadores e a corrupção que
permeia as instituições são os grandes responsáveis por situações como essa: bandidos à
solta e famílias obrigadas à reclusão entre grades, em flagrante inversão de posições.
• A população se sente, então, desamparada, desprovida do legítimo direito de ir e vir, e
incapaz de obter solução para tão grave problema. Não é de surpreender ninguém,
portanto, que ocorram iniciativas, nem sempre louváveis, no sentido de corrigir as
distorções que o sistema, como está, produz e consagra.
• Assim, TROPA DE ELITE não é um mal incausado, um mal por si só, mas é, isto sim,
um sintoma de um mal maior que nos aflige.
• Não tenho informação de que algo semelhante à Tropa de Elite, como foi retratada no
livro e no filme, ocorra no Rio Grande do Sul. Mas não me espantaria se ocorresse, pois
as variáveis determinantes são muito assemelhadas. A diferença que existe – e é uma
diferença muito substancial – está na Brigada Militar do Estado.
• No próximo dia 18, a Brigada Militar irá completar 170 anos de existência, em cujo
decurso tem visto sucederem-se, no Rio Grande e no Brasil, governos e governantes de
diferentes matizes ideológicos, alguns dos quais inclusive lhe ameaçaram a natureza
organizacional, a finalidade, a estrutura e a própria existência.
• Sobreviveu a tudo, sem jamais se afastar da reto caminho, registrando em sua história
páginas antológicas de dedicação, de esforço, de superação e de heroísmo.
Gabinete do Vereador JOÃO CARLOS WPC
Brigada Militar 169 anos 09.NOV.2006
• Se o seu cenário de atuação, no passado guerreiro, eram os campos de batalha, hoje o
cenário é urbano ou rural. Mas nem por isso as páginas atuais deixaram de ser de
dedicação, de esforço, de superação e de heroísmo. Ao contrário, tais qualidades foram
tornadas superlativas.
• Se no passado os meios de luta eram equivalentes, lutava-se frente a frente, contra
inimigos perfeitamente identificados e segundo regras que até o mais cruel e
empedernido dos adversários costumava respeitar, hoje o inimigo se esconde por trás
das fachadas mais diversas, sejam elas óbvias como um matagal ou a escuridão, sejam
inesperadas como uma residência, uma instituição, um cargo público ou um terno com
gravata. E, de onde menos se espera, pode vir a ação contra a ordem e a segurança,
destruindo o patrimônio, roubando vidas e comprometendo instituições.
• Graças a Deus, a Brigada Militar é diferenciada também em sua tropa de elite, elite de
verdade, capaz de realizar o seu trabalho, de alta qualificação, sem precisar apelar
para métodos ilegais, e, ao mesmo tempo, inspirar confiança na população e dela
receber apoio e reconhecimento.
• A tropa de elite da Brigada é a Força inteira. Toda a Brigada é elite e tem sabido
descartar com presteza e correção aqueles que eventualmente se afastem do reto
caminho do dever e da honra.
• Senhores Oficiais e Praças da Brigada Militar. É o povo de Porto Alegre que, através
de seus legítimos representantes, hoje quer homenagear a Brigada Militar, pelos seus
170 anos de existência. É uma homenagem de louvor, sim, mas é também de
reconhecimento pelos tantos e tão excelentes serviços que a Brigada presta a nossa
gente.
• Mais do que isso, é uma homenagem por gratidão, que se estende a cada um dos seus
componentes, desde o Comandante Geral até o mais simples PM, aos que trabalham
nas cidades e no campo, aos que trabalham na administração, no planejamento, e
controle das atividades, lembrando, ainda, aqueles que dedicaram suas vidas ao serviço
do povo e hoje desfrutam da justa e merecida aposentadoria.
• Destaco ainda, Senhora Presidente, e homenageio de modo especial, aqueles
brigadianos que, no cumprimento do dever, foram mortos ou inutilizados para a vida
profissional, muitas vezes deixando mulher e filhos em dificílima situação de vida, sem
se verem apoiados por quaisquer organizações especializadas, em visível contraste com
o que freqüentemente acontece quando as vítimas são assaltantes, terroristas e outros
bandidos do mesmo gênero.
• Parabéns, Brigada Militar e brigadianos de todos os postos e graduações. Temos muito
orgulho de nossa Brigada Militar, que é tão grande quanto o Rio Grande do Sul. E
temos orgulho dos brigadianos, que são o povo gaúcho fardado.
• Que Deus abençoe a todos.

SENHOR PRESIDENTE SENHORES VEREADORES. Como mudou a Brigada Militar !

Quando foi criada pelo então General ANTONIO ELIZIÁRIO DE MIRANDA E
BRITO, como Corpo Policial da Província de São Pedro do Rio Grande do
Sul, pela Lei nº 7, em 18 de novembro de 1837, tinha organização, disciplina
e vencimentos iguais aos do Exército Imperial , com a forma legal de policialmilitar.
Mas a Brigada Militar mudou!
Em 1873, transformou-se em Força Policial, em 1889 mudou para Guarda
Cívica e, logo em seguida, para Corpo Policial.
E novamente mudou a Brigada, em outubro de 1892, quando recebeu o
nome glorioso de BRIGADA MILITAR DO ESTADO, que ainda hoje
conserva, apesar de algumas tentativas infrutíferas de mudá-lo.
Mudou mais a Brigada Militar, desde quando, Brigada guerreira, se fez
presente na Revolução Federalista de 1893, cruenta e enlutadora, passando
por todos os principais movimentos armados que eclodiram no País, até o
episódio da Legalidade, em 1961, e a Revolução de Março de 1964 .
As táticas e estratégias bélicas, entretanto, que predominaram no passado,
transformaram-se em modernos caminhos de bem servir.
E foi assim que, num mundo e num Rio Grande em mudança, a Brigada
Militar soube , paulatinamente, avaliar as novas necessidades da população
que, insatisfeitas, lhe caberia atender e, aos poucos mas proficientemente,
reestruturou-se para assumir novas e importantíssimas missões, como a de
prevenção e combate a incêndios, o policiamento rodoviário, o policiamento
de trânsito, o policiamento florestal e ecológico e também o policiamento
ostensivo.
Mudou, assim, a formação técnico-profissional, admitiram-se civis na
administração e mulheres nos Quadros formais da Corporação e os Oficiais
e Praças passaram a ter um nível instrucional e cultural invejável,
absolutamente necessário e à altura das exigências da população.
Gabinete VER. JOÃO CARLOS NEDEL WPC
BRIGADA MILITAR – 161 ANOS 13.11.98
E o Estado do Rio Grande do Sul pode hoje se orgulhar de ter uma
Corporação Policial-Militar de primeira grandeza, pois é referência nacional e
internacional, sob qualquer ótica que se a olhe, histórica, social, técnica,
cultural ou profissionalmente.
Mudou muito a Brigada, desde sua criação.
Mudou muito, sim, no sentido de ampliar a abrangência, a natureza e a
qualidade dos serviços que sempre prestou ao Rio Grande e ao Brasil.
Mas, nessas mudanças todas que houve, mantiveram-se intactas, na
orientação e na prática diuturna, sua destinação histórica e constitucional de
preservação da ordem pública e do policiamento ostensivo, bem com sua
condição de força auxiliar e reserva do Exército Nacional.
Não foram poucas, entretanto, ao longo do tempo, as tentativas de desviá-la
dessa condição, inclusive de desmilitarizá-la, como recentemente tentaram
alguns grupos, e que, felizmente para o Rio Grande e para o Brasil, não
tiveram êxito e, se Deus quiser, jamais haverão de ter.
Não foram poucas, também, as agruras sofridas pela Brigada, em sucessivos
tempos, em termos de incompreensão, de absoluta carência de
equipamentos, de desprestígio governamental e de aviltamento de salários.
Mas a Brigada Militar, apesar de tudo isso, no perlongar da história do Rio
Grande, que vem há 161 anos ajudando a construir e de que faz parte
inalienável, soube sempre ajustar-se às circunstâncias e a elas se superpor,
mudando no que foi necessário e conveniente mudar, mas conservando
intocados sua base e fundamento, pois inalterados se mantiveram os
princípios que lhe dão razão de ser e as características essenciais de sua
organização policial-militar.
Senhor Presidente, Senhores Vereadores.
Entendo, que a homenagem que hoje esta Casa presta à Brigada Militar,
muito além da homenagem em si, deve representar um manifesto de
gratidão a essa Força Pública que tantos serviços presta ao povo portoalegrense
e gaúcho.
E que essa gratidão se deve dirigir a cada um dos seus componentes : desde
o Comandante Geral até o mais simples PM, desde os que militam no dia-adia
na dura e perigosa tarefa de rua até os que se dedicam às tarefas de
Gabinete VER. JOÃO CARLOS NEDEL WPC
BRIGADA MILITAR – 161 ANOS 13.11.98
planejamento, organização e controle dessas atividades, sem esquecermos,
também, aqueles que, no decurso dos tempos, dedicaram suas vidas ao
serviço do povo, na Brigada Militar, e hoje desfrutam da justa e merecida
aposentadoria.
Mas especialmente, senhor Presidente, gostaria de ressaltar, nesta
homenagem, aqueles brigadianos que, quase sempre anonimamente, foram,
no cumprimento do dever, mortos ou inutilizados para a vida profissional,
muitas vezes deixando mulher e filhos em dificílima situação de vida, sem se
verem apoiados por quaisquer organizações especializadas, em visível
contraste com o que freqüentemente acontece quando as vítimas são
assaltantes, terroristas e outros bandidos do mesmo gênero.
Fica aqui, então, senhor Presidente, em nome da Mesa Diretora, proponente
desta homenagem, o registro de nossa inteira solidariedade à Brigada Militar
em tudo quanto realizou e realiza, a nossa satisfação com todas as
mudanças promovidas e o nosso pedido a cada uma das autoridades, atuais
e futuras, a todos os níveis, no sentido de que valorize sempre a gloriosa
Brigada Militar do Estado, permitindo-lhe evoluir do mesmo modo como tem
feito há 161 anos, em favor de Porto Alegre, do Rio Grande e de seu povo.
Para finalizar, Senhoras e Senhores, gostaria de, saudando todos os
componentes da Brigada Militar, evocar aqui o nome de meu saudoso amigo
e companheiro, brigadiano da mais alta têmpera, forjado em luta intensa,
convicção pura e dedicação plena à Força que tanto amou, além de cristão e
chefe de família exemplar , o Coronel ODILON ALVES CHAVES,
tragicamente desaparecido, e que agora está seguramente na presença de
Deus, intercedendo feliz pelo progresso e a evolução da sua querida Brigada
Militar.
Por tudo quanto tem feito por nosso Estado, muito obrigado à Brigada Militar
do Estado !

SENHORA PRESIDENTE SENHORAS E SENHORES VEREADORES

• O esquecimento é quase sempre a única paga do bem realizado, pois a memória da
gratidão é mais fugaz que a lembrança do infausto. Assim, a ingratidão é filha
adotiva da bondade e o antagonismo irmão bastardo do desserviço.
• A curto prazo, é muito fácil para qualquer pessoa que, por exemplo, foi beneficiada
pelo atendimento dado por um brigadiano, lembrar-se do bombeiro que ajudou a
salvar sua casa, do PM que a libertou de um seqüestrador ou daquele que
mergulhou no Arroio Dilúvio para tirá-la do carro que lá mergulhara.
• Mas mesmo fatos como esses, alguns às vezes até heróicos, realizados com risco da
própria vida, ao longo do tempo quase sempre se perdem na vala comum do
esquecimento e da ingratidão.
• Que dizer então da memória relativa aos fatos quase corriqueiros do dia a dia, que
não são percebidos, ainda que realizados com máxima eficácia, apesar dos
obstáculos que a conjuntura apresenta.
• É mais fácil lembrar das coisas negativas, que são poucas, mas são noticiadas
amplamente, do que a incontável série de benefícios que muitas vezes sequer são
percebidos. Como afirmou certa vez D. Altamiro Rossatto, Arcebispo Emérito de
Porto Alegre, “é mais percebido o estrondo de uma única árvore caindo do que o
silêncio de uma floresta inteira crescendo”.
• Por isso, quero, então, saudar o eminente Vereador PEDRO AMÉRICO LEAL,
autor da oportuna proposta para que hoje se prestasse, nesta Casa, uma
homenagem à gloriosa Brigada Militar do Estado, pela passagem de seus 167 anos
de existência, a serem completados no próximo dia 18.
• Esta homenagem que todos os anos é prestada na Câmara Municipal de Porto
Alegre à Brigada Militar, sempre por iniciativa do Vereador Pedro Américo que,
como eu, é um amigo e defensor da Brigada e dos brigadianos, é uma forma de dar
maiores relevo e valor à presença absolutamente necessária da Polícia Militar
Gaúcha como força asseguradora da ordem, da paz e da tranqüilidade popular no
Rio Grande do Sul.
• A história da Brigada Militar está repleta de exemplos de determinação profissional
que, mais do que o mero cumprimento do dever, alcança os píncaros do heroísmo,
da renúncia aos próprios interesses e do sacrifício pessoal.
• É uma história construída por dezenas de milhares de homens e mulheres que
deram corpo e vida a uma Corporação Policial-Militar de primeira grandeza, pela
qual o Estado do Rio Grande do Sul pode apresentar exacerbado orgulho, pois é
referência nacional e internacional tanto histórica como social, técnica, cultural e
profissionalmente.
• As mudanças havidas, desde sua criação, souberam atualizar e aperfeiçoar a
Brigada, mantendo intacta sua destinação histórica e constitucional de preservação
da ordem pública e do policiamento ostensivo, bem com sua condição de força
auxiliar e reserva do Exército Nacional.
• Não foram poucas, entretanto, ao longo do tempo, as tentativas de desviá-la dessa
condição, inclusive de desmilitarizá-la, como recentemente tentaram alguns grupos,
e que, felizmente para o Rio Grande e para o Brasil, não tiveram êxito.
Gabinete VER. JOÃO CARLOS NEDEL WPC
BRIGADA MILITAR – 167 ANOS 10.11.2004
• Apesar das agruras sofridas, em sucessivos tempos, em termos de incompreensão, de
carência de equipamentos, de desprestígio governamental e de aviltamento de
salários, a Brigada Militar há 167 anos vem ajudando a construir a história do Rio
Grande, ajustando-se às circunstâncias e a elas se superpondo, mudando no que foi
necessário e conveniente mudar, mas conservando intocados sua base e
fundamento, inalterados os princípios que lhe dão razão de ser e as características
essenciais de sua organização policial-militar.
• Senhor Presidente, Senhores Vereadores.
• Seja de gratidão a homenagem que hoje prestamos à Brigada Militar, gratidão essa
que se deve dirigir a cada um dos seus componentes : desde o Comandante Geral até
o mais simples PM, desde os que militam no dia-a-dia na dura e perigosa tarefa de
rua até os que se dedicam às tarefas de planejamento, organização e controle dessas
atividades, sem esquecermos, também, aqueles que, no decurso dos tempos,
dedicaram suas vidas ao serviço do povo, na Brigada Militar, e hoje desfrutam da
justa e merecida aposentadoria.
• Mas especialmente, senhor Presidente, gostaria de ressaltar, nesta homenagem,
aqueles brigadianos que, quase sempre anonimamente, foram, no cumprimento do
dever, mortos ou inutilizados para a vida profissional, muitas vezes deixando mulher
e filhos em dificílima situação de vida, sem se verem apoiados por quaisquer
organizações especializadas, em visível contraste com o que freqüentemente
acontece quando as vítimas são assaltantes, terroristas e outros bandidos do mesmo
gênero.
• Em nome da Bancada do Partido Progressista,, que me honro de compartilhar com
os ilustres vereadores BETO MOESCH, JOÃO DIB e PEDRO AMÉRICO LEAL,
autor da homenagem e, certamente, o maior amigo da Brigada Militar que conheço
e que, neste ano, se despede da sua honrada, exitosa e proficiente atividade política,
quero deixar o registro de nossa inteira solidariedade à Brigada Militar em tudo
quanto realizou e realiza, e o nosso pedido a cada uma das autoridades, atuais e
futuras, a todos os níveis, no sentido de que valorize sempre a gloriosa Brigada
Militar do Estado, permitindo-lhe evoluir do mesmo modo como tem feito há 167
anos, em favor de Porto Alegre, do Rio Grande e de seu povo.
• Muito obrigado à Brigada Militar do Estado ! Muito obrigado aos brigadianos de
hoje e de todos os tempos !

SENHOR PRESIDENTE SENHORAS E SENHORES VEREADORES

• A construção da História não é feita ao sabor dos interesses eventuais de pessoas, de
grupos ou mesmo de nações.
• A História acontece, sim, como fruto do exercício da inteligência e do esforço do
homem, sujeita, porém, ao desígnio superior de forças, naturais ou não, as quais não
consegue entender e que, manifestando-se no tempo e no espaço, são determinantes
de fatos muitas vezes incontroláveis pela própria vontade humana.
• Na História, a realidade é sempre a causa eficiente da verdade.
• As versões sempre acabam por submeter-se aos fatos, que não lhes fazem
concessões.
• E a interpretação da História tem seu ponto alto no emprego da razão, à qual devem
subordinar-se os sonhos e as paixões, os interesses e as ideologias.
• As intervenções humanas, na tentativa de desvirtuar seu curso, muitas vezes
provocam ondas de choque que abalam mesmo as convicções mais sólidas.
• Mas o tempo, que é o senhor da razão, encarrega-se de trazer à luz o que é real e
verdadeiro, restabelecendo o equilíbrio social e retomando o caminho da realidade.
• Quem conhece a história da Brigada Militar, que amanhã completa 168 anos de
existência, quem teve a oportunidade de analisar o seu passado distante, pleno de
lutas e glórias, de sacrifícios e de destemor, de honra e de virtude, certamente
estabelecerá uma relação de nexo entre as assertivas que de início fiz e o passado
recente da Brigada Militar e mesmo com o seu presente.
• Houve momentos, há bem pouco tempo, em que interesses meramente políticos,
marcados por uma ideologia perversa, pretenderam simplesmente vilipendiá-la,
ignorando a razão institucional da existência da Brigada Militar e realizando
esforços no sentido de transformá-la numa caricatura de seu ser essencial.
• Pretenderam descaracterizá-la como Força Policial Militar. Pretenderam subverter
a hierarquia e a disciplina. Pretenderam transformá-la numa corporação silente e
submissa, humilhada pela subserviência a organizações ilegalmente constituídas,
mas apoiadas por um governo ao mesmo tempo sectário, omisso e incompetente.
• Não conseguiram. Nem irão conseguir jamais.
• Pois o indesmentível espírito de corpo, mais o brio de seus integrantes, somados à
força que emana da vontade do povo e à ação da imprensa livre e dos legítimos
representantes do povo, eleitos pelo voto, não permitiram e nunca haverão de
permitir.
• Foi muito triste, um dia, ver um brigadiano assassinado, fria e cruamente, por
desordeiros, falsos agricultores sem terra.
• Mas foi mais triste ver autoridades esquecerem da vítima e de sua família, para
darem cobertura aos autores do assassinato.
Gabinete VER. JOÃO CARLOS NEDEL WPC
BRIGADA MILITAR 168 ANOS 10.11.2004
• Foi muito triste, também, ver um Comandante Geral da Brigada chegar às lágrimas,
diante das câmeras da televisão, num reconhecimento da humilhação a que se estava
submetendo a Força por todos até então reconhecida como Gloriosa.
• Felizmente, o tempo e a vontade do povo se encarregaram de realizar as mudanças
que se faziam necessárias.
• E hoje, no Governo de GERMANO RIGOTTO, sendo Secretário da Justiça e
Segurança o deputado Federal JOSÉ OTÁVIO GERMANO, a História retoma o
caminho da correção, restabelece os princípios institucionais de origem e a Brigada
Militar reassume a posição digna que lhe cabe, de direito e de fato, em meio à
Sociedade que tem por dever servir e proteger e à qual também pertence, integra e
honra.
• É muito bom ver hoje a presença da Brigada Militar, nas ruas de Porto Alegre,
cumprindo sobranceiramente uma de suas importantes missões, que é a do
policiamento preventivo-ostensivo.
• É muito bom ver os brigadianos de cabeça erguida, orgulhosos daquilo que fazem e
da farda que vestem.
• Como afirmou certa vez D. Altamiro Rossatto, Arcebispo Emérito de Porto Alegre,
“é mais fácil perceber o estrondo de uma única árvore caindo do que o silêncio de
uma floresta inteira crescendo”.
• Por isso, é comum, quando acontece qualquer problema com um brigadiano,
ouvirem-se intensos e indignados clamores, como se aquele fato, por si só, pudesse
ensombrecer a intensidade, a profundidade e a qualidade dos serviços que a Brigada
Militar presta à comunidade porto-alegrense e gaúcha.
• A Brigada é maior do que a incompreensão e do que a fugacidade do
reconhecimento e da gratidão.
• E, ao chegar aos 168 anos, pode-se vê-la como se fosse uma jovem instituição, pois
soube vencer todas as vicissitudes que se lhe apresentaram, soube adequar-se às
mudanças que a modernidade trouxe e soube e sabe apresentar-se ao serviço com
toda a força e inteligência que têm sido sua marca registrada ao longo do tempo.
• A Brigada Militar é o espelho fiel do povo do qual emana.
• E sua existência é a reprodução perfeita da sociedade que lhe deu origem: altiva,
porém ética; forte, porém honrada; serviçal, porém altaneira; combativa, porém
amorosa.
• Parabéns à Brigada Militar e a todos os brigadianos, pelos seus 168 anos.
• Que Deus abençoe a todos.

BRIGADA MILITAR – TROPA DE ELITE

No próximo dia 18, a Brigada Militar completará 170 anos de existência. Nesse tempo, viu sucederem-se, no Rio Grande e no
Brasil, governos e governantes de diferentes matizes ideológicos, alguns dos quais inclusive lhe ameaçaram a natureza
organizacional, a finalidade, a estrutura e a própria existência. Sobreviveu a tudo, sem jamais se afastar do reto caminho e
registrando em sua história páginas antológicas de dedicação, de esforço, de superação e de heroísmo. Se o seu cenário de
atuação, no passado guerreiro, eram os campos de batalha, hoje o cenário é urbano ou rural. Mas nem por isso as páginas atuais
deixaram de ter aquelas virtudes. Ao contrário, elas se tornaram superlativas. Se no passado os meios de luta eram equivalentes,
lutava-se frente a frente, contra inimigos perfeitamente identificados e segundo regras que até o mais cruel e empedernido dos
adversários costumava respeitar, hoje o inimigo se esconde por trás das fachadas mais diversas, sejam elas óbvias como um
matagal ou a escuridão, sejam inesperadas como uma residência, uma instituição, um cargo público ou um terno com gravata. E,
de onde menos se espera, pode vir a ação contra a ordem e a segurança, destruindo o patrimônio, roubando vidas e
comprometendo instituições. Graças a Deus, a Brigada Militar é diferenciada também em sua tropa de elite, elite de verdade,
capaz de realizar o seu trabalho, de alta qualificação, sem precisar apelar para métodos ilegais, e, ao mesmo tempo, inspirar
confiança na população e dela receber apoio e reconhecimento. A tropa de elite da Brigada é a Força inteira. Toda a Brigada é
elite e tem sabido descartar com presteza e correção aqueles que eventualmente se afastem do reto caminho do dever e da
honra. Destaco, de modo especial, aqueles brigadianos que, no cumprimento do dever, foram mortos ou inutilizados para a vida
profissional, muitas vezes deixando mulher e filhos em dificílima situação de vida, sem se verem apoiados por quaisquer
organizações especializadas, em visível contraste com o que freqüentemente acontece quando as vítimas são assaltantes,
terroristas e outros bandidos do mesmo gênero. Nossos parabéns aos brigadianos de todos os postos e graduações, pelos 170 anos
da Corporação. Podemos todos ter muito orgulho de nossa Brigada Militar, que é tão grande quanto o Rio Grande do Sul, e dos
brigadianos, que são o povo gaúcho fardado.
João Carlos Nedel

SENHOR PRESIDENTE. SENHORAS E SENHORES VEREADORES.

• O crime assumiu, no Rio Grande do Sul, dimensões assustadoras.
• É a flexibilidade das leis, a tibieza de muitos de seus aplicadores e a corrupção que
permeia as instituições que fazem com que estejam tantos bandidos à solta e as
famílias obrigadas à reclusão entre grades, em flagrante inversão de posições.
• A situação poderia ser bem pior, se não fosse a Brigada Militar, uma das mais bem
preparadas e eficazes polícias militares do País .
• Hoje, 18 de novembro, a Brigada Militar completa 176 anos de existência, tempo
em que tem visto sucederem-se, no Rio Grande e no Brasil, governos e governantes
de diferentes matizes ideológicos, alguns dos quais inclusive lhe ameaçaram a
natureza organizacional, a finalidade, a estrutura e a própria existência.
• Mesmo agora, novamente se percebe um claro esforço no sentido de seu
enfraquecimento, especialmente em dois pontos básicos: buscam desmilitarizar a
Brigada e buscam fracioná-la, dela separando o Corpo de Bombeiros.
• São dois absurdos que não podem, de maneira nenhuma, ser admitidos e muito
menos levados avante, sequer como idéias.
• A Brigada deve continuar Policial Mlitar e o Corpo de Bombeiros deve continuar
sendo da Brigada.
• Queremos uma só Brigada: unida, militar, despartidarizada, cumprindo sua missão
constitucional de preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do
patrimônio.
• Sou ligado à Brigada Militar há muitos anos, sou defensor de suas prerrogativas
constitucionais e tenho na Brigada Militar uma das mais autênticas e necessárias
instituições gaúchas, sem paralelo no Brasil.
• É na convivência dos muitos amigos brigadianos que tenho, que me mantenho
ligado à Brigada Militar que, nessa caminhada de 176 anos, enfrentou muitas
dificuldades, a tudo sobrevivendo, sem jamais se afastar da reto caminho,
registrando em sua história páginas antológicas de dedicação, de esforço, de
superação e de heroísmo.
• A homenagem que o povo de Porto Alegre, através desta Casa, hoje presta à
Brigada Militar, é de louvor, sim, mas é também de reconhecimento pelos tantos e
tão excelentes serviços que a Brigada presta a nossa gente.
• Mais do que isso, é uma homenagem por gratidão, que se estende a cada um dos
seus componentes, desde o Comandante Geral até o mais simples PM, tanto os que
estão na ativa como os que já desfrutam de merecida aposentadoria.
• Lembro, de modo particular, Senhor Presidente, aqueles brigadianos que, no
cumprimento do dever, foram mortos ou inutilizados para a vida profissional,
muitas vezes deixando mulher e filhos em dificílima situação de vida, sem se verem
apoiados por quaisquer organizações especializadas, em visível contraste com o que
freqüentemente acontece quando as vítimas são assaltantes, terroristas e outros
bandidos do mesmo gênero.
• Quero aproveitar a oportunidade para uma homenagem especial, que fazemos por
recomendação dos moradores da Zona Norte, especialmente da Paróquia
WPC
BRIGADA MILITAR – 176 ANOS 18.NOVEMBRO.2013
Estudantil Nossa Senhora de Fátima, coordenadora do Fórum de Segurança e
Serviços da Zona Norte, aqui representada pelo senhor ADEMAR JOENCK, e o
Conjunto Residencial Costa e Silva, aqui representado pelo Capitão JUAREZ
BASTOS.
• Esta homenagem é ao Major MARCELO TADEU PITTA DOMINGUES,
comandante do 20º Batalhão da Brigada Militar, a quem faço entrega desta placa
que registra o agradecimento pelos relevantes serviços prestados na área de
segurança, em favor do bem-estar da comunidade.
• Confirmamos, assim, o orgulho que temos da nossa Brigada Militar, que é tão
grande quanto o Rio Grande do Sul e o orgulho que temos dos brigadianos, que são
o povo gaúcho fardado.
• Parabéns, Brigada Militar e brigadianos de todos os postos e graduações.
• Que Deus continue abençoando a todos.

SENHOR PRESIDENTE, SENHORAS E SENHORES VEREADORES.

• A Brigada Militar é uma das mais autênticas e necessárias instituições
gaúchas, sem paralelo no Brasil.
• Esta afirmação se faz mais evidente e notável quando, neste tempo da vida
nacional, a flexibilidade das leis, a tibieza de muitos de seus aplicadores e a
corrupção, que permeia tantas instituições, fazem com que bandidos estejam
à solta e as famílias obrigadas à reclusão entre grades, em flagrante inversão
de posições.
• Aqui no Rio Grande do Sul, a segurança do Estado poderia ser bem pior, se
não fosse a Brigada Militar, uma das mais bem preparadas e eficazes polícias
militares do País .
• No dia de ontem, 18 de novembro, a Brigada completou 178 anos de
existência.
• A data, se deve ser comemorada com muito orgulho, nos serve, também, para
lembrar daqueles tantos brigadianos que, no cumprimento do dever, foram
mortos ou inutilizados para a vida profissional.
• Muitas das vezes em que isso aconteceu, deixaram mulher e filhos em
dificílima situação de vida, sem se verem apoiados por quaisquer
organizações especializadas, em visível contraste com o que freqüentemente
acontece quando as vítimas são assaltantes, terroristas e outros bandidos do
mesmo gênero.
• É muito fácil criticar brigadianos, quando ocorrem eventuais casos de erro
na atuação profissional.
• Mas muito pouca gente se lembra do dia a dia dos brigadianos, mal
remunerados, e que, ainda assim arriscam suas vidas no combate direto ao
crime e aos criminosos.
• Quantos são capazes de agradecer-lhes por sua presença e por sua atuação
em nosso meio, dando-nos tranquilidade e segurança?
• Pois bem. Quero aqui resgatar essa dívida nossa com a Brigada e os
brigadianos e, em nome da Família gaúcha, agradecer à Brigada Militar por
essa caminhada de 178 anos, enfrentando muitas dificuldades, mas a tudo
sobrevivendo, sem jamais se afastar do reto caminho, registrando em sua
história páginas antológicas de dedicação, de esforço, de superação e de
heroísmo, a serviço da segurança de nossa terra.
• Parabéns a todos os brigadianos, de todos os tempos, por mais este 18 de
novembro.

ALGUNS DOS PRINCIPAIS PROJETOS APRESENTADOS

• Helipontos -Estabelece normas para a implantação de helipontos no
Município de Porto Alegre.
• Proibição do fumo em recintos fechados
• Feiras itinerantes – Regulamenta a realização de Feiras de vendas de
produtos e mercadorias a varejo.
• Bolsas de Estudo (UNIPOA ) para Universitários Carentes.
• Dia da Família – Institui, no âmbito do Município, o Dia da Família (08
de dezembro).
• Contratação de mão-de-obra de apenados: Obriga as empresas
contratadas, a qualquer título, pelo município de Porto Alegre, a
manterem em seus quadros pelo menos 5% (cinco por cento) de mão de
obra de ex-apenados(as) e/ou apenados(as) por crimes com penas em
cumprimento, em regime aberto e/ou semiaberto
• Criação do Conselho Municipal da Família.
• Criação do Instituto de Previdência do Município.
• Proíbe a venda de cigarro a menores.
• Propõe o aproveitamento de pedreiras para fins turísticos.
• Propõe a criação de Shoppings Populares.
• Orçamento Impositivo – Obriga a execução de Orçamentos Públicos
• Criação de Creches em Horário Noturno.
• Restituição de Impostos
• Centros de Convivência para Idosos
• Regulamenta a propaganda do Executivo
• Institui o Estímulo por Contribuição Social
• Criação da FRENTUR – Frente Parlamentar do Turismo
• Pontal do Estaleiro
• Proíbe a comercialização de cigarros e bebidas alcoólicas na CMPA.
• Cria a Feira de Artesanato da Tristeza.
• Lotação Bairros Restinga e Parque dos Maias.
• Adequação da Lei do Fumo à Lei Federal.
• Dia da Reforma Luterana
• Níveis de emissão de ruídos nas zonas industriais.
• Alteração do Plano Diretor
• Altera Orçamento Plurianual da CMPA.
• Emissão de ruídos sonoros por aparelhagem de som em veículos.
• Altera Plano Diretor Cicloviário.

Gabinete: Av. Loureiro da Silva, 255 – 2ºandar · Centro · CEP 90013-901
Telefone: 3220-4212 · Fax: 3220-4214 · Horário de Funcionamento: 8:30 às 12:00 – 13:30 às 18:00
Home-page: www.nedel.com.br e-mail: joaocnedel@camarapoa.rs.gov.br
• Regulamenta Transporte Turístico
• Transporte Especial – Institui Serviço Público
• Altera Lei 8279 – Mobiliário Urbano e Veíoculos Publicitários.
• Cria Frente Parlamentar para Melhoria do Trânsito.