Bianchini usa a tribuna para comentar o tombamento em serviço de mais um policial militar do Estado

Na tarde desta terça-feira (22), o tema da Tribuna do deputado Bombeiro Bianchini foi a trágica morte do policial rodoviário, 1º sargento Naurio Adão Garcia Viana, que ocorreu no município de Cruz Alta ao abordar um veículo suspeito. O parlamentar, além de narrara a ocorrência, lamentou a morte do policial e chamou a atenção para o risco da profissão.

Deputado Bianchini debate com o secretário de Segurança do Estado alguns projetos de sua autoria em relação à Brigada Militar e Corpo de Bombeiros

Na tarde desta terça-feira (22), o deputado Bombeiro Bianchini reuniu-se com o secretário de Segurança Pública, Cezar Schirmer. Na oportunidade, o parlamentar apresentou e solicitou apoio da Secretaria de Segurança Pública para alguns projetos de sua autoria.

 Entre eles está o conjunto de proposições (PLC 147/2015 – PL 148/2015 – PL 149/2015 – PLC 151/2015 – PL 152/2015), que institui o Quadro Complementar de Oficiais, possibilitando ao praça ascender na carreira até o posto de major; PL 142/2017, que aumenta o tempo de renovação do Abono de Incentivo à Permanência no Serviço Ativo (AIPSA); PLC 215/2016, que instituí o AIPSA aos 1ª tenentes ativo da Brigada Militar e o PLC 218/2015, que determina ao Estado pagar a todos os Policiais Militares, para uso individual, uma arma de uso permitido (pistola), colete especial à prova de balas e algemas, na forma regulamentar.
 O secretário de Segurança recebeu de forma satisfatória as cópias dos projetos de iniciativa do parlamentar e comprometeu-se a buscar na sua assessoria jurídica um estudo de viabilidade e aplicação das propostas.

Deputado Bombeiro Bianchini apresenta nova emenda ao PLC 147/2017

Na manhã desta sexta-feira (11), o deputado Bombeiro Bianchini protocolou na Assembleia Legislativa uma nova emenda ao PLC 147/2017, garantindo que serão promovidos à graduação de Primeiro-Sargento os Segundos-Sargentos oriundos dos cargos em extinção de Terceiro-Sargento que contarem com pelo menos 1 (um) ano na graduação, obedecidos os critérios de antiguidade e merecimento, à medida que vagarem os cargos.

Segundo o deputado, a proposta do Governo atingirá diretamente os Segundos-Sargentos oriundos dos cargos em extinção de Terceiro-Sargento, e se tal medida for aprovada como foi apresentada provocará uma enxurrada de pedidos inatividades por tempo de serviço, afetando diretamente a atividade fim da Brigada Militar considerando o quadro reduzido de militares ativos do Estado. “A proposta do Governo não pode ser aprovada, nada deveria ser mudado numa carreira tão esmagada e desvalorizada! ”, defendeu o deputado.

Chefe da Casa Civil garante ao Deputado que estão autorizadas as promoções aos policiais militares que se formarão no CTSP nesta sexta-feira.

Após uma semana de muita articulação do parlamentar junto ao Comando da Brigada Militar e na Casa Civil, nesta quinta-feira (10), o chefe da Casa Civil garantiu ao deputado Bombeiro Bianchini que as promoções à graduação de 2º Sargento aos concluintes do CTSP/2017 está autorizada pelo Governo do Estado.

Para os integrantes da corporação a notícia pode parecer ser estranha ou para tirar proveito político da situação, mas afirmo que nada estava garantido e dependia de uma decisão final, a qual, segundo me garantiu o secretário Fábio Branco, ocorreu.

Parabéns aos formandos!

Deputado Bombeiro Bianchini apresenta emenda ao PLC 147/2017

Foi protocolado na tarde da última quarta-feira (09), a proposta do parlamentar estabelecendo o interstício de 3 (três) anos na graduação de primeiro-Sargento para o Curso Básico de Administração – CBA e de 3 (três) anos na graduação de segundo-Sargento para promoção à graduação de Primeiro-Sargento. Pela proposta do Poder Executivo o interstício passaria a ser de 6 (seis) anos para ambos os casos.
Segundo o deputado, a proposta do governo é injusta e prejudica ainda mais carreira dos militares estaduais, considerando os prejuízos que já tiveram no plano de carreira de 1997. Um soldado leva em média 20 anos para atingir a primeira promoção, o PLC 147 termina com a progressão na carreira da maioria dos praças da Brigada Militar e Corpo de Bombeiros. “A proposta do governo não pode ser aprovada, nada deveria ser mudado numa carreira tão esmagada e desvalorizada, só apresentei a emenda para tentar amenizar uma proposta danosa”, defendeu o deputado.

Bianchini protesta contra parcelamento salarial

Na Sessão Plenária da última terça-feira (01), o deputado Bombeiro Bianchini usou a tribuna para cobrar do Governador do Estado alternativas ao pagamento salarial do funcionalismo público estadual.

 Conforme relatos de funcionários públicos da área da segurança pública ao parlamentar, eles estão indignados com o parcelamento do salário do mês de julho, pois receberam apenas 650 reais. “Isso é constrangedor para todo funcionário público! Com que motivação um policial vai arriscar sua própria vida, preocupado com suas contas pessoais que não serão pagas ao final do mês? O artigo 35 da Constituição Estadual do RS, determina que o pagamento da remuneração mensal dos servidores públicos do Estado será realizado até o último dia útil do mês do trabalho prestado”, disse Bianchini.

O parlamentar afirmou entender a grave crise financeira que o Estado enfrenta, também culpou os deputados que reprovaram no final do ano passado a proposta do governo do repasse real do duodécimo à Assembleia Legislativa, ao Tribunal de Contas, ao Poder Judiciário, ao Ministério Público e a Defensoria Pública. “Estes poderes estão folgados financeiramente, pagam em dia seus servidores públicos e concederam aumentos anuais, bem diferente do Poder Executivo. Se tivesse sido aprovada a proposta do duodécimo, o governo teria um incremento na receita de mais de 600 milhões de reais no ano, mais de 50 milhões de reais por mês e isto ajudaria no enfrentamento das despesas decorrentes”, explicou.

Em sua fala, Bianchini sugeriu ao Governador que reavalie a forma de pagamento do quadro funcional. “Então, que parcele ou que atrase o salário de quem ganha altos salários do Estado, porque esses têm como enfrentar as contas no final do mês; que enxugue o que puder a máquina inchada do Estado; que seja austero em cada centavo arrecadado de impostos para poder honrar com os compromissos constitucionais”, finalizou.