Cel Afonso escritor – jcb 208

Alberto Afonso Landa Camargo: Cel idealizador da Abril

Antologias e dois livros de contos no currículo do atual presidente da Academia Brigadiana de Letras

O coronel Alberto Afonso Landa Camargo nasceu em Santiago (RS), em 15 de setembro de 1945. Filho de pequenos agricultores, ainda criança foi morar na cidade onde o pai, Antonio Gayer Camargo, passou a exercer a profissão de motorista de táxi e a mãe, Esperança Landa Camargo, a exercer a atividade de costureira.

Após concluir o curso primário, ainda adolescente ingressou no ginásio, atuando ativamente nos movimentos estudantis como membro da direção da Agremiação Santiaguense de Estudantes (ASE), onde começou a ler sobre os grandes pensadores, desenvolvendo o gosto pela Filosofia e pela Ciência Política.

Em 1963, foi morar em Santa Maria, onde continuou a atuar no movimento estudantil. Em 1964, retornou para Santiago para servir ao Exército, sendo dispensado no mesmo ano, ficando na cidade até 1965.

Foi neste período que recebeu a influência do tio e padrinho José Porfírio Lagranha do Amaral para ingressar na Brigada Militar.

Ingressou como cadete na corporaçãor em 18 de março de 1966,  no 1º ano do Curso de Formação de Oficiais. Durante este período dedicou-se aos estudos policiais preferencialmente, contrariando a tendência da época que inclinava a Brigada para a formação militar.

Foi ainda como cadete que conheceu a pelotense Juçara Antunes Feijó, com quem noivou em 1969 quando estava no 4º ano do Curso de Formação de Oficiais.

Formou-se aspirante a oficial em 18 de novembro de 1969, tendo sido designado para servir no 2º RPMon, em Sant’Ana do Livramento. Ainda como aspirante foi destacado para a cidade de Cacequi e, já como 2º tenente, designado para comandar o Pelotão de Rosário do Sul. Nesse período, casou-se com Juçara Feijó Camargo, com quem teve dois filhos: Otálio Afonso Feijó Camargo, nascido em Sant’Ana do Livramento, e Márcia Feijó Camargo, nascida em Rosário do Sul.

Ainda em Rosário, dentre as inúmeras atividades policiais em que se envolveu, teve um enfrentamento com abigeatários em que sofreu um ferimento num dos braços. Felizmente não mais que uma cicatriz a lembrar-lhe dos riscos da atividade policial.

Em 1973 foi transferido para o então 1º Esqd PMon Ind, que deu origem ao 5º RPMon, em Santiago, sua terra natal, tendo sido destacado para comandar o Pelotão de São Francisco de Assis. Dois anos após, foi designado para comandar o Pelotão de São Borja, na fronteira com a Argentina, quando foi promovido a 1º tenente. Nesse período, aproveitou para retomar os estudos e graduou-se em Letras, licenciatura curta com habilitação em Língua Portuguesa, Língua Inglesa e respectivas literaturas.

Em 1978 foi promovido a capitão e, em 1979, transferido para o 4º BPM, em Pelotas. Nesta cidade complementou sua formação em Letras e concluiu a Licenciatura Plena na mesma área. E, 1988, graduou-se em Filosofia.

Atuando sempre no policiamento, no comando de companhias, produziu diversos trabalhos sobre o assunto.

Foi promovido a major em 1989 e transferido para o Departamento de Informática, em Porto Alegre, onde ficou até 1994, quando foi para o Estado do Pará onde frequentou o Curso de Especialização em Política e Gestão Estratégica (CEPGESP) e  de Gerenciamento de Crises e de Situações de Alto Risco. Ainda em 1994, foi promovido ao posto de tenente-coronel.

[nggallery id=41]

Retornando a Porto Alegre em 1995, foi designado para a chefia do Estado Maior do Comando de Policiamento da Capital (CPC) e, após, para o comando do 11º BPM. Ainda como tenente-coronel e com vistas à promoção ao posto seguinte, assumiu em 1997 o comando da Academia de Polícia Militar (APM), sendo promovido a coronel no mesmo ano. Em 1998, assumiu a Corregedoria da Brigada Militar. Em setembro de 1999 foi designado para o comando do CRPO Central, sendo transferido para a reserva em 2001. Em 2009, bacharelou-se em Ciências Jurídicas e Sociais – profissão que  nunca  exerceu. Prefere o magistério, nas áreas de seu conhecimento.

Na área do ensino exerceu atividades como professor em diversas escolas particulares em Pelotas e em Porto Alegre.

Promoveu e foi professor em diversos cursos para Guardas Municipais.

Ainda como professor, lecionou na Escola da Bombeiros, na Escola de Formação e Especialização de Cabos e Soldados e na Academia de Polícia Militar.

Na área da Literatura, dedica-se à poesia desde a adolescência, tendo aprendido este gosto como saudoso avô Alberto Fernandez de Landa, fazendo a sua primeira publicação poética em livro, em 1987, na 2ª Antologia de Poetas Brigadianos, organizada pelo saudoso José Hilário Retamozo, com quem aperfeiçoou-se nas letras.

Conquistou o seu primeiro prêmio literário no concurso desenvolvido pela Sociedade Escritores de Blumenau (SEB), em Santa Catarina, com o conto “O Velho e o Parque” e a poesia “O Caminho do Céu”.

Contista com dois livros publicados, participou de mais de uma dezena de antologias tendo contos, crônicas e poesias publicadas, assim como vários artigos e crônicas publicadas em jornais de Porto Alegre e do interior do Estado e trabalhos técnicos publicados em revistas e livros.

Em 2006 ajudou, com outros cinco amigos, a fundar a Academia Brigadiana de Letras (ABRIL), das qual é seu presidente desde então. Ocupa a Cadeira nº. 1, cujo Patrono é José Hilário Retamozo.